Nesta quinta-feira, a Microsoft mostrou o que a próxima geração de sistemas operacionais rá trazer, bem como as especificações para roda-los. Entre a lista de componentes essenciais, está o TPM 2.0, um recurso que não teve muita atenção, mas que deixou muitos com dúvidas quanto a isso.

MPF quer que a Anatel explique o impacto da nova política do Whatsapp!

Mas afinal, o que é TPM?

TPM é acrônimo para Trusted Platform Module, ou Módulo de Plataforma Confiável. Esse pequeno componente é um processador de criptografia integrado a placas-mãe e tem como principal função garantir a integridade e segurança do sistema em sua inicialização. O chip recebe hashes (algoritmos de mapeamento de dados) gerados no processo e os armazena de forma criptografada separada do restante dos componentes.

Em termos leigos, o TPM protege as informações do PC mesmo se o processador ou o firmware forem invadidos. Além disso, a criptografia só pode ser quebrada pelo próprio chip, o que diz que nem mesmo o Windows tem acesso ao conteúdo dele. A Microsoft não recomenda a configuração manual do elemento por meio de linhas de código.

Será que eu tenho esse componente no meu computador?

O chip começou a circular em notebooks em meados de 2006, e levou um tempo até chegar nas versões de mesa. Todas as placas mais modernas oferecem o chip, porém, ele quase sempre sem desabilitado por padrão, fazendo com que seja necessária uma “habilitação”.

Se você não tem certeza que sua máquina conta com o componente, nem mesmo sabe se ele está ativado, faça o seguinte:

  1. Aperte as teclas Windows + R
  2. Execute o código tpm.msc na caixa de texto

O sistema levará você para o Gerenciamento do TPM no computador. Lá você poderá ver se seu computador é ou não compatível para receber a próxima atualização do Windows.

Para ficar ainda mais fácil e confiável, você pode instalar o  software de verificação oficial de compatibilidade do Windows. Essa ferramenta vai te dizer se seu computador pode ou não receber o Windows 11, se sim, então significa que seu computador tem o TPM.

Além disso, você também pode ir ao menu de configurações do Windows 10 e checar. Faça o seguinte:

  • Iniciar > digite tpm > selecione a opção Processador de Segurança.

Depois de ter feito isso, e a ficha estiver em branco, significa que o TPM da sua placa não está habilitado.

Temos que lembrar que esse recurso quase sempre está escondido no menu da BIOS, então o mais recomendado é verificar o modelo da sua placa-mãe, ir até o site do fabricante e verificar se sua placa conta com esse componente.

Fez tudo isso e descobrir que sua placa realmente não tem o TPM? Calma, não é o fim do mundo, você pode optar por comprar a TPM avulsa na internet fornecida por fabricantes como a Asus, ou então escolher migrar pra uma placa mãe um pouco mais moderna.

O Windows 10 terá suporte oficial até 14 de outubro de 2025, certifique-se que até lá sua máquina já esteja rodando o Windows 11.

O que você achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Clique em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!