O último episódio de The Mandalorian foi como nada antes. Houve grandes revelações, momentos doces e alguns confrontos e batalhas impressionantes. Ao mesmo tempo, também foi aproveitado em uma parte fundamental de Star Wars de uma forma que nenhum outro filme ou série da franquia havia feito antes.

Among Us terá localização completa para português brasileiro

O compositor Ludwig Goransson disse uma vez ao New York Times que a explicação de Jon Favreau sobre The Mandalorian como personagem era “um cavaleiro solitário e um samurai”. Além disso, essas inspirações gêmeas percorrem todo o Mandalorian, mas também podem ser rastreadas até o início de Star Wars. Han Solo é o cowboy espacial renegado definitivo, e a rigidez do código Jedi evoca o código do estilo de vida do samurai.

No entanto, na verdade, esses dois gêneros são mais semelhantes do que você pode imaginar. Os filmes de faroeste pegaram ideias de filmes de samurai desde sua gênese. Além disso, um dos mais famosos filmes de samurai, The Seven Samurai de Kurosawa, foi refeito nos EUA como The Magnificent Seven. Essa influência foi nos dois sentidos, e os dois gêneros estavam em conversas regulares um com o outro ao longo dos anos 60 e além.

Star Wars escolheu o melhor dos dois gêneros

Star Wars escolheu o melhor dos dois gêneros e incluiu tudo em um cenário de ópera espacial. Blasters e gracejos vinham de westerns, enquanto lutas de espadas e cerimônias do samurai. Além disso, provavelmente o ponto de referência mais conhecido para a influência de George Lucas é outro filme de Kurosawa, The Hidden Fortress. Tal filme que contava a história de dois camponeses que ajudam uma princesa em uma situação perigosa, basicamente a premissa de Uma Nova Esperança.

“Decidi que seria uma boa maneira de contar a história de Star Wars, que era pegar os dois personagens mais baixos, como Kurosawa fez, e contar a história do ponto de vista deles, que no caso de Star Wars são os dois andróides”, Lucas disse em uma entrevista em 2001.

The Mandalorian finalmente fez alguma coisa Star Wars desde A New Hope
The Mandalorian finalmente fez alguma coisa Star Wars desde A New Hope – Foto: Reprodução/Inverse

Então veio The Mandalorian, e cada aspecto desses gêneros foi aprimorado. Além disso, Mando e Baby Yoda tornaram-se lobos e filhotes galácticos, completos com um berço protetor. Na segunda temporada, a influência ocidental foi tão flagrante que a estreia foi basicamente uma releitura de um filme de John Wayne. Além disso, ele até trouxe um ator de faroeste dos dias modernos (Timothy Olyphant) para interpretar o marechal Cobb Vanth.

Explorar um gênero diferente

Cada episódio depois disso foi um exercício de como o universo de Star Wars poderia ser usado para explorar um gênero diferente, seja o filme do motorista de táxi no Capítulo 10, piratas no Capítulo 11 ou um assalto no Capítulo 12. Embora nenhum dos gêneros foram as maiores influências em The Mandalorian como um todo, cada um deles tinha seu próprio estilo distinto, mantendo a estética geral da série.

O capítulo 13, “O Jedi”, completa esse círculo vicioso de gênero, trazendo o show de volta às suas raízes – uma boa história de samurai à moda antiga. Além disso, Ahsoka é uma vigilante que ataca o magistrado furtivamente sob o manto da noite. No entanto, se você não soubesse de outra forma, pensaria que algumas dessas cenas vieram diretamente de um filme de Kurosawa.

The Mandalorian finalmente fez alguma coisa Star Wars desde A New Hope - Foto: Reprodução/Inverse
The Mandalorian finalmente fez alguma coisa Star Wars desde A New Hope – Foto: Reprodução/Inverse

No mesmo episódio, também temos a história de um sábio guerreiro sendo apresentado a um jovem aprendiz. O tempo de Ahsoka com Grogu (sim, Grogu, se acostume com isso) parece o momento mais Star Wars de todo o episódio, espelhando o encontro de Obi-Wan com Luke e as interações de Qui-Gon com Anakin. No entanto, o Mandaloriano diverge da tradição quando Ahsoka rejeita a oferta de ensiná-lo. Ela está em sua própria missão agora, uma que de alguma forma envolve o Grande Almirante Thrawn.

Embora o episódio também grite suas influências ocidentais – como aquele tiroteio épico com Michael Biehn – o clima do episódio: a floresta sombria, a campainha de alarme no estilo oriental e o combate de bastão beskar contra sabres de luz gêmeos são homenagens à cultura samurai. Havia até “dróides assassinos” que escalavam os telhados da vila como ninjas, embora não fossem páreo para o blaster de Mando.

Mídia influenciada por samurais

Após 43 anos de mídia influenciada por samurais, Star Wars finalmente se inclinou para o gênero, e o resultado é o que um número cada vez maior de fãs está chamando de o melhor episódio de The Mandalorian. Talvez este seja o início de um renascimento das influências originais de Star Wars, trazendo a franquia de volta ao que a tornava ótima há tantos anos.

No mínimo, é bom ver o co-criador da série Dave Filoni (que escreveu e dirigiu este episódio notável) dando crédito abertamente às influências internacionais que muitas vezes passam despercebidas em The Mandalorian e em Star Wars em geral.

Fonte: Inverse

O que você achou de The Mandalorian? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar no botão “Canal do Telegram” no topo direito da página.