[Cuidado! Spoilers de Falcão e o Soldado Invernal]

Vazamentos do novo iPhone 13 apontam para uma opção de preto fosco e mudanças na câmera

Como já é sabido por todos os amantes de quadrinhos, segredo que Steve Rogers está longe de ser o único Capitão América da Marvel. Ao longo dos anos, John Walker, Bucky Barnes e Sam Wilson usaram a capa do super soldado, cada um com diferentes motivações e abordagens. No entanto, o nome passa despercebido quando se trata do legado do escudo. Apresentado em Capitão América: Verdade – Vermelho, Azul e Preto, desde 2003, Isaiah Bradley foi canonicamente a primeira pessoa a usar um uniforme azul depois de Rogers.

O papel do personagem que foi interpretado por Carl Lumbly, lutou na Segunda Guerra Mundial no segundo episósio de Falcon e o Soldado Invernal, alistando-se após o infame ataque a Pearl Harbor que levou os Estados Unidos a entrar na guerra. Querendo recriar o super soro que fez de Rogers o Capitão América, o Exército dos EUA escolheu 300 soldados negros como cobaias. Para encobrir os testes, o governo dos Estados Unidos executou um pelotão inteiro do qual retirou tropas e informou às famílias nos Estados Unidos que todos – incluindo aqueles que o vivenciaram – morreram em combate. Das seleções, apenas cinco sobreviveram aos experimentos, incluindo Isaiah, com o soro deformando alguns deles.

Após o fracasso de uma missão, Isaiah se viu como único sobrevivente de seu grupo. No final das contas, ele é enviado sozinho em uma missão suicida para assassinar o Dr. Kosh, um cientista alemão que quase recriou a fórmula para o exército nazista. Isaiah então rouba o uniforme e o escudo de Rogers e parte em uma missão como Capitão América. Embora ele consiga matar Kosh, o personagem é capturado e submetido a alguns experimentos.

Quando transportado de uma base nazista para outra base, um grupo de rebeldes alemães resgata um super soldado que, após retornar a um acampamento militar americano, é preso novamente, acusado de traição por roubar o equipamento de Steve Rogers. Em 1943, Isaiah é condenado à prisão perpétua.

A pessoa que liberta o veterano do isolamento é a sua esposa, Faith, que, não acreditando no anúncio oficial da morte do marido, procurou por anos seu verdadeiro paradeiro e pediu perdão a Isaiah por suas cartas diárias na Casa Branca. Em 1960, um soldado recebeu perdão do presidente dos EUA, Dwight Eisenhower. No entanto, 17 anos de isolamento, somados aos efeitos colaterais dos vários experimentos que fez nas mãos dos exércitos dos EUA e nazistas, afetaram a mente de Isaiah, que agora age como uma criança.

Isaiah Bradley: Quem é essa pessoa que apareceu em Falcão e o Soldado Invernal?
Isaiah Bradley: Quem é essa pessoa que apareceu em Falcão e o Soldado Invernal?

A lenda de que se fala na comunidade negra

Apesar os Estados Unidos nunca o terem reconhecido oficialmente, Isaiah Bradley se tornou uma lenda entre a comunidade negra dos Estados Unidos. Por décadas, figuras importantes do movimento negro, como Malcolm X, Angela Davis, Nelson Mandela, Alex Haley e Colin Powell, visitaram secretamente o Capitão América Negro, que viveu virtualmente anonimamente ao lado de Faith. Aliás, o soldado se tornou a referência para personagens como Luke Cage, Falcon, Spectre e Goliath, e foi reverenciado por eles no casamento de Storm com a Pantera Negra.

Inspiração

Isaiah Bradley foi inspirado por enormes coincidências na vida real. Em 1932, o Serviço de Saúde Pública dos EUA e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA fizeram parceria com o Instituto Tuskegee, uma universidade predominantemente negra, para testar os efeitos de longo prazo da sífilis em homens negros. 600 indivíduos foram selecionados para o estudo Tuskegee, 399 dos quais estavam sem saber infectados com sífilis e 201 homens não infectados eram os controles.

Durante décadas, experimentos foram feitos por cobaias que, embora concordassem em participar do teste, sem saber suas verdadeiras intenções, durante anos receberam atendimento público gratuito e infrutífero para a sífilis, que pode causar danos cerebrais sem tratamento. O estudo só terminou na década de 1970, quando um vazamento de informações revelou o verdadeiro propósito do teste e suas práticas antiéticas.

O editor da Marvel no início dos anos 2000, Axel Alonso, queria publicar uma história que refletisse a realidade histórica americana e, conhecendo o Estudo Tuskegee, passou a ideia para Robert Morales. O criador de Isaiah, o roteirista, decidiu usar esse personagem como uma homenagem ao boxeador Muhammad Ali, que foi diagnosticado com mal de Parkinson em 1984. Esta doença causou danos à saúde física e mental.

Aquele racismo que foi a razão do Governo testar os efeitos da sífilis nos homens negros conseguiu ser sentida da versão para TV de Isaiah. Em vez de ser considerado um herói por derrotar o Soldado Invernal (Sebastian Stan) na Guerra da Coréia dos anos 1950, o soldado passou 30 anos na prisão e novamente serviu como cobaia. O tratamento que recebeu aparentemente enfureceu Sam (Anthony Mackie), que foi persuadido a renunciar ao cargo de Capitão América e, em seguida, transferido para outro soldado branco. Embora não haja indicação de que Isaiah será de grande importância nos episódios seguintes, é de se esperar que Falcon se inspire na experiência do veterano e comece a desafiar as ordens e decisões do governo dos Estados Unidos de forma mais contundente, abrindo caminho para ele retome o escudo.

O que você achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!