Desde que ganhou o título do primeiro jogo a ser anunciado para o PS5, parece que Godfall está preso entre uma pedra e um lugar bem duro. O jogo é da Counterplay Games, um estúdio cuja produção anterior inclui apenas uma única experiência de PC “free-to-play” (Duelyst). Dessa forma, expectativas que provavelmente nunca iriam ser cumpridas foram estabelecidas. Isso é o que um ponto quente no “The Game Awards” faz para você, apesar de quão injusto pode ser para o desenvolvedor. Mas mesmo quando essas suposições de qualidade saem da conversa, Godfall não é um bom jogo.

Veja os melhores jogos de luta do PS4!

Marcado como um saqueador – supostamente o primeiro de seu tipo – ele tenta casar o combate de um título de “God of War” com a chuva de saques de “Diablo”. Apenas um lado dessa equação fornece alguma satisfação, tornando-se o único motivo pelo qual uma compra pode acontecer. É a ação intensa e acalorada de Godfall que sai por cima com engajamentos agradáveis ??e uma quantidade razoável de variedade de armas para combinar. O problema é literalmente tudo o mais que o jogo tem a oferecer.

Jogando com Orin

Godfall: confira o review do game! - Foto: GR MAS
Godfall: veja o review do game! – Foto: GR MAS

Você joga como Orin, um cavaleiro Valorian do universo de alta fantasia chamado Aperion. Ele faz parte de uma rivalidade familiar contínua com seu irmão, por algum motivo. Para ser perfeitamente honesto, a cena de abertura foi o suficiente para nos convencer de que desligar qualquer batida narrativa seria para melhor e dificilmente parece que perdemos muito. A história progride através do diálogo entre as missões na base, mas a configuração é realmente muito simples. Seu irmão tem um monte de amigos trabalhando para ele, então, no estilo típico de um jogo, você precisará eliminá-los antes de enfrentar o chefão. Seja como for, apenas continue com isso.

O principal motivo para pular essas cenas e conversas é voltar ao combate. Você tem os ataques leves e pesados ??típicos ao lado de habilidades vinculadas a cada tipo de arma que quase fazem o trabalho, mas é a introdução da mecânica do “Soulshatter” que realmente muda o jogo. Essencialmente, golpes leves são feitos para aumentar o dano em um inimigo, e quando sua barra de saúde pode chegar ao fim com um único golpe, o ataque pesado é empregado para fazer isso. Todo esse ato é rotulado de “Soulshatter”. Demora um pouco para se acostumar – você tem que envolver a sua cabeça em derrotar um combatente sem realmente fazer isso – mas uma vez dominado, é como Godfall quer ser jogado. Bem, pelo menos isso é muito bom.

O combate é o ponto forte do jogo

blank
Godfall: veja o review do game! – Foto: GH MAS

Fazendo uso leve dos gatilhos adaptativos e feedback tátil do PS5, um certo peso vem com cada golpe – aumentando um sobre o outro até que o ataque final de um combo forneça uma quantidade intensa de satisfação. É bom jogar no momento, desde golpes rápidos do arquétipo de lâminas duplas até golpes lentos, mas poderosos, de martelos de guerra.

Mas essas não são as únicas lutas de combustível mecânico. Romper um inimigo é, na verdade, o inverso de “Soulshatter”, em que o corte de sua armadura vem primeiro, antes de um golpe rápido na garganta. Os pontos fracos do inimigo são revelados conforme você joga, trocando armas durante a batalha desencadeia um Ataque Polaridade, e até mesmo seu escudo pode ser útil como um agente de danos. Depois, há o Modo Arconte, que ativa um estado de tempo limitado com dano aumentado e um recurso exclusivo dependendo do conjunto de armadura escolhido. Tudo isso contribui para um sistema de combate bastante profundo e envolvente que se adapta às necessidades de cada um. Os inimigos podem ser enfrentados de várias maneiras, recompensando a criatividade e a experimentação, pois sua carga só é contida por sua própria inventividade. Não há dúvidas de que é a melhor coisa sobre Godfall.

Loot e Valorplates

Godfall: veja o review do game! - Foto: AK MAS
Godfall: veja o review do game! – Foto: AK MAS

Loot é o que alimenta isso, mas o jogo rapidamente anula qualquer possível excitação ligada a uma queda poderosa. Ele absolutamente o afoga em armas, itens de mudança de construção, moedas e recursos. Tanto que tropeçar em um baú contendo aquelas mesmas peças de equipamento parece mais rotineiro do que extraordinário. Há muito, muito para analisar, o que, combinado com uma interface de usuário incrivelmente lenta, torna qualquer captação que não melhore sua construção um pouco incômoda. Até mesmo trocá-los por recursos na base leva muito mais tempo do que deveria.

Valorplates compõem o outro lado do sistema de saque do jogo – armaduras inteiras que você pode trocar entre as missões. Como tal, você nunca personalizará a aparência individual de sua armadura de perna ou capacete. Este não é um Destiny 2 nesse aspecto. O problema é que esses conjuntos defensivos não se diferenciam muito, optando por oferecer pequenas mudanças de estatísticas e variações no Modo Arconte. Eles são uma decepção nesse aspecto, estragando a maioria das chances de criar uma construção em torno de um determinado conjunto de armadura.

Problemas…

Godfall: veja o review do game! - Foto: GH MAS
Godfall: veja o review do game! – Foto: TV MAS

De longe, o maior problema que assola Godfall, no entanto, é sua estrutura. O jogo é dividido em um punhado de áreas, com grupos de missões ocorrendo lá. Isso significa que níveis aparentemente separados, na verdade, compartilham os mesmos locais continuamente. Como resultado, o retrocesso é extremamente comum, com ambientes monótonos reciclados para fazer as áreas parecerem maiores do que realmente são.

Para piorar as coisas, existem requisitos que o obrigam a retornar às mesmas regiões para progredir. De vez em quando, você terá que coletar uma quantidade específica de Selos de cada local inspirado no elemento. Isso significa trabalhar algumas missões sem história apenas para ver o que a campanha servirá a seguir. Eles destroem qualquer tipo de ritmo ou fluxo que você possa ter construído com a história, exigindo que você conclua objetivos enfadonhos. O sistema de combate é bom, mas não é o suficiente para levar o jogo inteiro como o desenvolvedor claramente esperava.

E mais problemas

blank
Godfall: veja o review do game! – Foto: GR MAS

Se você conseguir superar esses contratempos frustrantes e completar a campanha, um modo de jogo final baseado em ondas chamado Tower of Trials estará esperando. No entanto, não há correspondência para falar que permite que você se junte a outros usuários online. Como tal, você terá que fazer isso sozinho ou esperar que alguém que você conhece participe. E isso é meio insano para um título sempre online no ano de 2020/21. Você pode convidar jogadores de sua lista de amigos, mas eles obviamente têm que estar prontos para jogar Godfall em vez de títulos multiplayer mais populares. Uma decisão desconcertante.

Depois, há um punhado de bugs que costumam atrapalhar um pouco. Avisos de interação complicados às vezes tornam o trabalho de decidir o que fazer a seguir mais difícil do que deveriam, enquanto uma falha ocasional interrompe totalmente o progresso. Você teria que reiniciar a difícil missão novamente para corrigir o problema. Quando o projeto e a estrutura da missão já são tão repetitivos quanto são, a ideia de adicionar mais uma tarefa à lista pode convencer alguns a jogarem outro jogo inteiramente.

Pelo menos existem alguns espetáculos visuais para ver aqui e ali. É engraçado porque Godfall parece um jogo que deseja desesperadamente que você saiba que está rodando em um PS5. À medida que cada inimigo explode em partículas e pilhas de ouro se espalham pelos corredores de Aperion, começa a parecer um apelo por atenção ao invés de cores e vistas para se adequar ao mundo. Ainda assim, a grandeza de alguns locais não pode ser negada.

Conclusão

blank
Godfall: veja o review do game! – Foto: WA MAS

Se tudo que Godfall tinha a oferecer fosse tão bom quanto seu satisfatório sistema de combate, estaríamos olhando para um jogo de lançamento de PS5 muito bom. No entanto, na realidade, essa é a única coisa de que tem de se orgulhar. Um sistema de saque inconsequente, ambientes reciclados e uma frustrante estrutura de missão impedem qualquer tipo de diversão que o jogo possa oferecer. Não é horrível, mas Godfall vai ser rapidamente esquecido.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!