Harley Quinn e Rick Flag estão de volta em um mashup delirante cheio de humor e raciocínio.

Nas últimas semanas tivemos “Snake Eyes” que não teve nada a ver com o veículo de Nicolas Cage de 1998 com o mesmo nome e “Masquerade” que não teve nada a ver com o veículo de Rob Lowe de 1988 com o mesmo título, e agora vem “Esquadrão Suicida”, que NÃO QUER nada com o “Esquadrão suicida” de 2016, embora seja baseado no mesmo material de origem e carregue alguns personagens-chave desse desastre.

Isso é mais um recomeço – um mulligan – do que uma reinicialização, com o escritor e diretor James Gunn (“Guardiões da Galáxia”) entregando um mashup sombriamente engraçado, respingado de sangue, alegremente nojento, violento e maluco de humor piadista, sequências de ação elaboradas e infundidas em CGI e até mesmo um interlúdio de rom-com que termina com um dos participantes bem morto enquanto o outro expressa arrependimento, mas não havia outra maneira, sendo este um filme “Esquadrão Suicida”.

Velozes e furiosos: Haverá um “Hobbs e Shaw” 2?

Um híbrido de “The Dirty Dozen” com “Guardians of the Galaxy”, “The Suicide Squad” existe em um mundo onde humanos coexistem com alguns mutantes bizarros e até mesmo um tubarão bípede que usa shorts cortados e é grunhido por Sylvester Stallone porque Vin Diesel já dá voz a Groot, então por que não ir para o original?

Um novo Esquadrão

Com o clássico “Folsom Prison Blues” de Johnny Cash dando o tom na cena de abertura, “The Suicide Squad” tem uma espécie de falsa abertura em que ACHAMOS que vamos encontrar o Squad, mas então encontramos o verdadeiro esquadrão. Além disso, Amanda Waller de Viola Davis, a líder poderosa e implacável do programa governamental Força-Tarefa X, convoca um grupo de prisioneiros durões para realizar uma missão aparentemente suicida para proteger uma enorme estrela do mar alienígena com poderes de destruição mundial que está trancada na fictícia nação insular de Corto Maltese, onde um golpe está ocorrendo. Se essa estrela do mar se soltar, o equilíbrio do mundo pode ser derrubado.

Novamente: a missão é garantir que uma enorme estrela do mar alienígena não se solte. Só queria ter certeza de que você não achou que acabei de digitar um monte de palavras aleatórias em uma fileira.

Então encontramos o novo esquadrão, diferente do antigo esquadrão (embora haja alguns remanescentes). A escalação inicial:

  • O Peacemaker (John Cena), um super-patriota com um capacete de metal brilhante que fará de tudo para proteger a liberdade da América.
  • Bloodsport (Idris Elba), um solitário cínico que está imediatamente em conflito com o pacificador rah-rah.
  • Coronel Rick Flag (Joel Kinnaman), o líder do esquadrão. Ele não ganha um apelido legal.
  • Ratcatcher 2 (Daniela Melchior), que tem a habilidade única de convocar centenas e até milhares de ratos para fazer suas ordens.
  • Polka-Dot Man (David Dastmalchian), um idiota de nível Norman Bates; produto de um experimento médico que deu errado e pode explodir você até a morte.
  • King Shark (interpretado por Steve Agee e dublado por Sylvester Stallone), um híbrido peixe/humano que tem que se lembrar de não comer seus companheiros.
  • E sim, Harley Quinn (Margot Robbie), que ainda está alegre e maníaca como sempre.

Herois ou Vilões?

Este bando são os anti-vingadores, já que não há um super-herói definido entre eles – embora vários deles realizem atos heróicos. Há muitas piadas e zombarias entre eles enquanto se envolvem em uma sequência de ação estilizada após a outra, geralmente definida ao som de um padrão americano ou música pop, por exemplo, “Just a Gigolo (I Ain’t Got Nobody)” de Louis Prima. ou “Point of No Return” do Kansas ou “Hey” dos Pixies. Então, a missão na ilha torna-se mais complicada devido ao envolvimento de um levante rebelde liderado por Sol Soria de Alice Braga, e ocasionalmente fazemos uma pausa nas cenas de ação para rachar a cabeça para aprender as histórias de fundo de vários personagens, que no caso do adorável e o bom Ratcatcher 2 é na verdade bastante comovente.

Principalmente, no entanto, “Esquadrão Suicida” é sobre as sequências de batalha alucinógenas selvagens, que muitas vezes são pontuadas por piadas grotescas usadas para rir. É uma proposta imprevisível e às vezes o filme se esforça demais para ganhar sua classificação R com uma violência bizarra, mas afinal, este é o Esquadrão Suicida, então até as bolinhas podem matar você.

Fonte: Chicago.suntimes

O que você achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Clique em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!