A adoção de tecnologias de ponta será a chave para o sucesso das empresas, de acordo com a gigante dos chips Intel.

De carros autônomos ultraconectados a AR, VR e jogos de baixa latência: para se manterem competitivas na era digital, as empresas terão pouca escolha a não ser abraçar totalmente as novas oportunidades que vêm com a implantação da computação de ponta, de acordo com um novo relatório publicado pela Intel.

Quase três quartos (72%) dos líderes de TI já estão usando computação de ponta para fornecer serviços inovadores, de acordo com a gigante dos chips, seja para criar novos produtos, abrir novos fluxos de receita ou aumentar a eficiência.

Merlin Labs quer encher o céu de aviões sem piloto que transportam cargas e passageiros!

“As empresas não podem mais se dar ao luxo de ignorar a vantagem”, diz o relatório, enfatizando o potencial da tecnologia para melhor acessar e compreender a quantidade sem precedentes de dados que são gerados nas redes a cada segundo.

Como o nome sugere, tecnologias de ponta consistem em mover a hospedagem de serviços de informática na borda da rede, de forma que o processo aconteça o mais próximo possível das pessoas que usam o serviço, o que reduz significativamente a latência.

A computação de ponta, portanto, acontece em dispositivos distribuídos pela rede, por isso a Intel se refere a uma nova era de “inteligência distribuída”, na qual todo e qualquer objeto pode ser tornado “inteligente” e conectado, para que possa armazenar e processar dados para melhorar a entrega de um determinado serviço.

Isso pode ser útil em vários campos. Na área da saúde, por exemplo, os dispositivos de ponta podem assumir a forma de vestíveis integrados que rastreiam os sinais vitais do paciente ao longo do dia e transmitem dados para avaliação e tratamento contínuos. A tecnologia também pode ser implantada em robôs autônomos para apoiar os profissionais de saúde; ou em diagnósticos baseados em imagens, para alimentar modelos de aprendizado profundo e acelerar a detecção de problemas de saúde.

O principal motivo para implantar a computação de ponta é uma tendência compartilhada por praticamente todos os setores: a explosão de dados. Conforme os usuários aumentam sua confiança nas tecnologias digitais, com efeito, também aumenta a quantidade de dados que eles geram, atingindo níveis sem precedentes. Todas essas informações podem ser processadas e analisadas por empresas para melhorar seus serviços – mas requer grande poder computacional.

Enviar todos os dados criados de volta para a nuvem para processamento é impraticável e causa problemas de latência. Entre na computação de ponta: ao colocar a computação mais perto da fonte de dados, seja um smartphone, um PC, um dispositivo IoT ou um sensor, o volume de informações geradas torna-se muito mais fácil de manusear.

O cientista de IA Inma Martinez, que liderou a pesquisa para o relatório, disse: “A borda torna possível um mundo onde, de repente, cada objeto tem potencial para obter informações – informações que podem ser extraídas e usadas em tempo real.”

Por sua vez, isso permite que as empresas inovem de várias maneiras diferentes. No varejo, por exemplo, sinais digitais e quiosques interativos nas lojas podem ajudar a compreender melhor as expectativas e comportamentos dos clientes. Sensores e câmeras inteligentes, juntamente com análises alimentadas por IA, podem responder a gestos sem toque e informar os varejistas sobre a eficácia de uma mensagem ou tela.

A tecnologia também pode ajudar as lojas a fornecer serviços personalizados: a Intel relata que a boutique italiana de visão computacional de luxo Wonderstore, por exemplo, usa sensores visuais alimentados por tecnologias de ponta para analisar o comportamento dos clientes e personalizar sua experiência na loja com base em dados relacionados ao seu tempo de permanência, por exemplo.

Na indústria, a computação de ponta também deve revolucionar o funcionamento do chão de fábrica. A tecnologia permitirá o processamento em tempo real de dados brutos gerados por máquinas para melhorar a manutenção preditiva ou verificação de defeitos, por exemplo.

Da mesma forma, as tecnologias de ponta podem impulsionar a robótica baseada em IA, usada na fabricação para realizar tarefas repetitivas e perigosas. A fabricante de automóveis Audi, relatou a Intel, viu um aumento de 100 vezes em seus tempos de verificação de controle de qualidade desde o início da implantação da computação de ponta, com apenas 18 milissegundos de latência – o que, por sua vez, reduziu os custos de mão de obra em até 50% no local da empresa em Neckarsulm na Alemanha.

A computação de ponta, portanto, vem com a promessa ambiciosa de reduzir significativamente a latência em todos os tipos de aplicativos e casos de uso, o que, por sua vez, desbloqueará serviços inovadores em muitos setores diferentes.

Ainda assim, apesar do entusiasmo da Intel, talvez não seja totalmente surpreendente que as empresas ainda não estejam focadas na computação de ponta. Apesar de toda a empolgação, a tecnologia permanece imatura e modelos de negócios viáveis ??que fazem uso de dispositivos conectados e dispositivos da Internet das coisas na borda da rede ainda estão em formação.

Em parte, isso se deve a desafios técnicos: por exemplo, a computação de ponta é altamente dependente de uma conectividade mais rápida – é por isso que muitas vezes é retratada como estando de mãos dadas com a conectividade 5G. E embora as implementações de 5G estejam ganhando ritmo, a conectividade da próxima geração ainda está longe de estar amplamente disponível para todos.

Fonte: zdnet

O que você achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Clique em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!