Resultado de imagem para Kinect evolution

Nesta manhã, uma notícia deixou alguns fãs da Microsoft e do Xbox um tanto quanto decepcionados. A empresa anunciou que não vai mais fabricar o acessório Kinect, o conhecido sensor de movimentos que anos atrás revolucionou o mercado de games. Ele será descontinuado.

A informação foi confirmada em uma entrevistas exclusiva com Alex Kipman, criador do Kinect, e Matthew Lapsen, GM of Xbox Devices Marketing, que falaram sobre o assunto com o pessoal da Co.Design. 

Lançado em 2010 para o Xbox 360 com uma campanha de marketing de mais US $ 500 milhões, o Kinect pintou uma sala em um discoball de pontos invisíveis e infravermelhos, mapeando-o no espaço 3D e permitindo rastreamento sem precedentes do corpo humano. O Kinect parecia perfeito para tirar os jogadores do sofá. Por que pressionar um botão para comandar as coisas, quando você pode ser o controle? Ele também habilitou comandos de voz super úteis e mapeamento 3D. Sem dúvida ele foi a maior tentativa da Microsoft de desfocar a linha entre o corpo humano e a interface humana.

Sua utilidade não era apenas para jogos e coisas do tipo. O acessório ganhou aplicações na área médica, construção civil, nos e-Sports, entre muitas outras áreas. Especialmente depois que passou a ser compatível com o Windows.

Tecnologicamente falando, e de acordo com a Microsoft, o Kinect foi o primeiro dispositivo para consumidores a trabalhar com o aprendizado de máquina (Machine Learn) em seu núcleo. Funcionalmente falando, ele também foi imitado. Desde 2010, a Apple apresentou o assistente de voz Siri copiando as funções de controle de fala do Kinect e o Google iniciou seu próprio sistema de rastreamento 3D chamado Projeto Tango. Inclusive este projeto foi liderado por Johnny Lee, que ajudou no desenvolvimento do Kinect original. Tem ainda o caso da PrimeSense, empresa responsável pelo mapeamento 3D da primeira versão do Kinect, mas que foi vendida para Apple. Muitos afirmam que o Face ID do iPhone X nada mais é do que um mini Kinect embutido no aparelho. Então, o Kinect pode ter sido um dos maiores precursores dessas tecnologias para consumidores.

Também de acordo com a Microsoft, eles venderam cerca de 35 milhões de unidades do Kinect desde sua estréia em 2010, mas a Microsoft já não o produzirá mais. A empresa continuará a oferecer suporte aos utilizadores do acessório no Xbox, mas as ferramentas de desenvolvedores possivelmente serão desativadas.

O motivo de tudo isso ter acontecido é mais simples do que parece, e nos remete ao clássico vídeo do Ballmer: “Developers, Developers, Developers…”.

Sim, da mesma forma que aconteceu com o núcleo de desenvolvimento do Windows Phone, o grande problema com o Kinect foi a baixa adesão por parte dos desenvolvedores a plataforma. Pouco eram os que adaptavam seus jogos para o acessório. Dessa maneira, a decisão foi tomada após a empresa ter dificuldades para incentivar produtores a criarem jogos compatíveis com o acessório, que acabou caindo no esquecimento na briga da nova geração de consoles.

Mesmo sendo o fim do acessório, seu legado continua firme e forte em outros produtos da Microsoft, como por exemplo, na Cortana, no HoloLens e na Windows Mixed Reality. Não ache estranho vermos no futuro um óculos de realidade aumentada com funcionalidade extremamente semelhantes ao vistas no Kinect.

Fonte: fastcodesign